Edijane Costa - Doctoralia
Rua de Júlio Dinis, 748 4º Drt - S/403 Parque Itália
+351 915 846 816
consultadepsicologia.porto@gmail.com
Sophos Consultório de Psicologia / Porto > Blog > Psicologia > Perturbação do Stress Pós-Traumático

Stress Pós-Traumático é uma Perturbação Clínica por Ansiedade provocada pela exposição a um evento traumático, no qual a pessoa passa a experimentar insistente e repetidamente a situação traumática. Distingue-se do Stress Agudo Traumático (que tende a surgir durante e logo após a exposição ao evento traumático), porque no caso da Perturbação de Stress Pós-Traumático os seus sintomas persistem por mais de 3 meses após o evento, sendo possível também que os sintomas só apareçam muito anos depois.

Stress Pós-Traumático afeta pelo menos 1 % da população uma vez na vida. Tem uma maior incidência nas pessoas que representam o grupo de risco, como os veteranos da guerra e as vítimas de violações e atos violentos. É importante referir que o Stress Pós-Traumático crónico não desaparece com o tempo, pode sim, muitas vezes, perder a intensidade. Entretanto, muitos indivíduos tendem a carregar as marcas emocionais de um trauma durante toda a vida.

Causas

As situações como atos violentos e situações traumáticas adversas e imprevisíveis que representaram um sentimento de ameaça à vida e a integridade física da pessoa ou à de terceiros estão entre as principais causas da Perturbação de Stress Pós-Traumático.

Fatores de risco

Existem diversos estudos que indicam como fatores que tornam as pessoas mais vulneráveis à Perturbação do Stress Pós-Traumático eventos ocorridos na infância e adolescência. Em geral, tem-se o bullying infantil, as situações de exposição à de violência doméstica e atos violentos, desastres naturais, negligência e maus tratos infantis, dificuldades de aprendizagem e adaptação na escola (sociabilização), etc.

Diagnóstico de Perturbação de Stress Pós-Traumático

De acordo com o Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-V), para o diagnóstico é necessário a existência de um evento traumático claramente reconhecível como um atentado à integridade física, do próprio ou de outra pessoa que lhe provoque terror, angústia ou horror. Os sintomas clássicos desta perturbação devem causar sofrimento clinicamente significativo ou prejuízo no funcionamento pessoal, social, ocupacional ou em outras áreas importantes da vida da pessoa.

Os sintomas Perturbação do Stress Pós-Traumático se dividem em categorias principais:

  • Reexperiência traumática: Pesadelos e memórias espontâneas, involuntárias e recorrentes (flashbacks) do evento traumático;
  • Fuga e esquiva: Evitamento de qualquer estímulo que possa provocar as memórias traumáticas, como pessoas, lugares e situações
  • Distanciamento emocional: Diminuição da afetividade por atividades e pessoas que anteriormente eram consideradas como prazerosas.
  • Hiperexcitabilidade psíquica: Hipervigilância (estado de alerta), reações de fuga, ataques de pânico e de ansiedade, distúrbios do sono, défice de memória, dificuldade de concentração, irritabilidade, baixa tolerância à frustração, etc.
  • Sentimentos negativos: Pessimismo persistente, sentimentos de culpa e impotência, perda de esperança em relação ao futuro, sensação de vazio, etc.

Complicações Futuras

A longo prazo os fatores de stress predispõem o desenvolvimento de doenças, favorecendo o surgimento de problemas crônicos e a perceção de perda da qualidade de vida. Podem ocasionar: distúrbios do humor (depressão), ataques de pânico, fibromialgia, problemas com o álcool e drogas, problemas cardíacos e gastrointestinais, hipertensão, diabetes, queda da imunidade, entre outros.

Tratamento

O tratamento mais indicado, devido a sua eficácia, é a Terapia cognitivo-comportamental (TCC) e atualmente em virtude dos resultados comprovados através de estudos científicos e das melhoras significativas dos pacientes, a Psicoterapia com E.M.D.R., que entra para o rol das terapias mais apropriadas para o tratamento do Stress Pós-Traumático. Através do E.M.D.R. é possível acelerar a dessensibilização de memórias traumáticas, reduzindo drasticamente os seus efeitos emocionais com resultado significativo e estável na vida da pessoa.